Valorpneu e ANIRP promovem webinar sobre o Futuro da recauchutagem em Portugal

09 - Recauchutagem-de-Pneus

A Valorpneu, entidade gestora de pneus usados em Portugal, e a ANIRP (Associação Nacional dos Industriais de Recauchutagem de Pneus) realizaram um webinar sobre o Futuro da Recauchutagem em Portugal com o principal objetivo de desmistificar: Pneus Recauchutados são ou não são uma boa opção?

Para responder a esta questão, a Valorpneu e a ANIRP contaram com um painel de oradores entendidos na questão. Fizeram parte Eduardo Santos, Managing Partner da 3Drivers; Rita Marques, Membro da Direção da ANIRP; Ana Cristina Carrola, Vogal do Conselho Diretivo da APA; Carla Pinto, Diretora de Serviços de Sustentabilidade Empresarial do DGAE; e Armando Mendes, Técnico Superior do IAPMEI.

“A Recauchutagem tem Futuro?” Esta é a pergunta que no último ano mais se tem feito no setor dos pneus e também o propósito deste webinar. A Recauchutagem é a operação pela qual um pneu já utilizado, após cumprir o seu ciclo de vida, é reconstruído de modo a permitir uma nova utilização para o mesmo fim para o qual foi projetado. Apesar de ser uma atividade existente em Portugal há aproximadamente 60 anos, com circuitos comerciais muito bem definidos, tem ainda um grande potencial por descobrir, com grandes vantagens para o sector e para a tão desejada economia circular.

Armando Mendes, Técnico Superior do IAPMEI explicou “A recauchutagem é uma atividade industrial muito pouco comum para materiais em final de vida mas muito importante ao nível económico, ambiental e até ao nível dos postos de trabalho. Atualmente, em todo o mundo, a recauchutagem emprega cerca de 30 mil pessoas.”

Já Rita Marques, Membro da Direção da ANIRP revelou “Sempre que recauchutamos um pneu por duas vezes, estamos a poupar 160 kgs de resíduos e 100 kgs de matéria. O Pneu Recauchutado é fiável e amigo do ambiente.”

Neste sentido, no último ano, a Valorpneu, promotora da recauchutagem desde 2003, promoveu um estudo, realizado pela 3Drivers, onde pretendeu ver respondida esta questão. No decorrer do mesmo, a empresa caraterizou o setor da recauchutagem em Portugal e recolheu ainda dados sobre os principais constrangimentos e limitações deste processo, por fim procurou identificar melhorias e soluções futuros para a recauchutagem.

Eduardo Santos, Managing Partner da 3Drivers explicou a conclusão deste estudo “Portugal continua a ser um dos países com o mercado de recauchutagem mais desenvolvido, apresentando uma expressão considerável nos pneus de substituição, com uma taxa de recauchutagem mais de duas vezes superior à média europeia. Por isso, apesar das dificuldades, a atividade de recauchutagem consolidada e resiliente, e é corporizada por um setor com mais de 70 anos de vida, dinâmico e exportador”. Em 2017 a atividade de recauchutagem apresentava um valor mínimo de 11,1 mil t.

Afinal o que tem Portugal que fazer para tornar a recauchutagem credível? “Fomentar a qualificação, Melhorar a Perceção, Aumentar a quantidade de carcaças, Fomentar a Interação e Desenvolver Políticas que implementem financiamento e apoio às diversas atividades relacionadas com a recauchutagem e com a utilização dos pneus recauchutados”, explicou Eduardo Santos.

Ao longo do webinar foram ainda explicadas as Metodologias de Análise para Refletir a Perspetiva dos Agentes Económicos, o Processo Técnico de Recauchutagem, Abordagem ao Negócio da Recauchutagem, Perspetivas dos Recauchutadores, Distribuidores, Centros de Receção e ainda, foi feita uma Análise do desenvolvimento futuro da recauchutagem.