Pneus Scorpion KX da Pirelli estão de volta a casa

06 - Pneus-Scorpion-KX-da-Pirelli-estao-de-volta-a-casa

Depois de uma estreia bem-sucedida, na ronda anterior, em Portugal, os pneus para gravilha Scorpion KX para a classe superior do Campeonato Mundial de Rali da FIA estão de regresso à Sardenha

O pneu de rali de gravilha da Pirelli, Scorpion KX, conta com dois compostos: duro e macio. Na Sardenha, o composto duro será a primeira escolha. Trata-se de um pneu projetado para lidar com as superfícies mais abrasivas e oferecer durabilidade durante as etapas mais longas. O macio será uma alternativa para proporcionar uma aderência ideal não só em estradas com presença de água, mas também em condições de areia e gravilha solta, especialmente durante a primeira passagem nas etapas. Em ambos os compostos, o pneu apresenta um reforço adicional, particularmente na parede lateral, para conferir proteção contra cortes e lacerações.

Terenzio Testoni, responsável da Pirelli pelas atividades de rally afirmou “Depois de Portugal, estamos ansiosos para enfrentar outro exigente rali de gravilha, com os pneus Scorpion KX, e, em especial, o nosso evento ‘doméstico’, onde coletamos vários dados, durante os testes do ano passado. Estivemos também empenhados em analisar toda a informação recolhida em Portugal, que irá nortear o aconselhamento que damos às equipas na Sardenha. Na Sardenha as temperaturas podem ser ainda mais altas e as condições ainda mais difíceis, mas isso deve tornar o pneu de composto duro mais favorável em oposição ao macio, para o qual haverá novamente uma alocação limitada. Isso significa que podemos esperar algumas estratégias diferentes entre as três equipas principais. As novas etapas do último dia são muito escorregadias e com areia, por isso, o pneu macio pode fazer uma grande diferença.”

A Pirelli vai deslocar cerca de 1.800 pneus para a Sardenha, dos quais cerca de 400 serão para a classe superior de carros de rali.

Cada um dos pilotos do WRC pode utilizar até 24 pneus durante o rali, com uma alocação separada de quatro pneus para o shakedown. Para o rali, cada carro terá uma alocação total de: 24 Scorpion KX Hard e 8 Scorpion KX Soft.

A Pirelli também fornecerá 1400 pneus para os outros carros com tração às quatro rodas do evento, incluindo os inscritos no WRC 2 e WRC 3: 22 Scorpion K4A Hard, 8 Scorpion K6A Soft e também aqui haverá uma alocação separada de quatro pneus para shakedown.

A Pirelli percorreu cerca de 1400 quilómetros – o equivalente a cinco ralis do WRC – em menos de três meses, na Sardenha, no ano passado, testando protótipos de pneus, com Andreas Mikkelsen ao volante de um Citroën C3 WRC.

 A Importância da Estratégia de Pneus
O Rally Itália Sardenha pode ser sinónimo das temperaturas mais altas de toda a temporada do WRC, com temperaturas superiores a 30 graus. Esse fator, em combinação com uma superfície abrasiva e rochosa, faz deste palco um complicado desafio para os pneus. É exatamente por isso que a Pirelli realizou aqui os seus testes para o regresso ao WRC.

As novas etapas. A base do evento retorna a Olbia, na costa leste da ilha, após sete anos em Alghero, na costa oeste. Veremos muitas etapas que já faziam parte do evento, especialmente na sexta-feira e no sábado, mas as etapas de domingo, a norte de Olbia, serão novidade para a atual lista de pilotos.